Caixa Surpresa dos Sentidos

20 de Abril de 2018

A turma do 2º ano teve a oportunidade de aprender quantas coisas diferentes nosso corpo é capaz de fazer.

Podemos perceber o ambiente vendo, ouvindo, cheirando, apalpando e sentindo sabores, ou seja, de várias maneiras. Desta forma foi proposta atividades, as quais as crianças puderam associar o que sentem com seus órgãos dos sentidos.

Esta vivência foi desenvolvida de forma lúdica, para ajudar a aprimorar o conhecimento sobre as sensações.

Para descobrirem a sensação ao toque das mãos foi disponibilizada uma caixa contendo alguns objetos com texturas, formas, espessuras e tamanhos diversos, a garotada explorou a curiosidade colocando a mãozinha dentro da caixa com o objetivo de tentar descobrir o que estavam apalpando.

Receberam uma folha avulsa para escreverem / ou desenharem seus palpites. Após todos participarem, a professora expôs aos alunos o que havia dentro da Caixa Surpresa dos Sentidos, assim todos puderam conferir se o palpite estava correto.

Como tato e olfato, muitas vezes, trabalham juntos foi desenvolvida também uma atividade voltada para o sentido do olfato, com essa proposta as crianças fizeram várias descobertas, percebendo que por meio dele sentimos cheiros agradáveis e desagradáveis.

 

Anúncios

Relações Ecológicas

13 de Abril de 2018

No meio ambiente, os animais, as plantas e os fatores abióticos (não vivos) como a água, os gases (oxigênio, ozônio, etc.) e os sais, relacionam-se entre si. A estas relações chamamos de Relações Ecológicas.

6º-ano-ciências-cadeia-e-teia-alimentar-29

Estudá-las é como juntar peças de um grande quebra-cabeça, afim de compreender o complexo meio ambiente. Durante este processo é possível entendermos as relações que os organismos têm entre si e com os fatores abióticos, é possível notarmos também os ciclos (da água, de gases; como oxigênio e carbônico e da energia) e principalmente é possível percebermos que somos parte deste meio ambiente.

As Relações Ecológicas foram abordadas através de textos, explicações, exemplos e até mesmo experiências, porém para ajudar a juntar as peças deste grande quebra-cabeça os recursos audiovisuais desempenharam um papel fundamental.

Os recursos audiovisuais são veículos de comunicação que usam imagem e som e vêm ganhando destaque em pesquisas no intuito de serem usados para o ensino de Ciências, pois são capazes de facilitar o processo de ensino e aprendizagem e também podem ser usados para que os educandos tenham uma visão mais interdisciplinar das situações, desta maneira desenvolvendo pessoas autônomas para questionarem e tomarem decisões levando em conta diversos fatores de diversas áreas.

Além de prender a atenção, apresentar situações complexas e descrever funcionamentos, o recurso audiovisual torna possível levar o aluno a conhecer ambientes diferenciados, despertar a imaginação e o interesse pelo tema abordado e gerar nele sensações, motivações e demonstrações, para que o mesmo seja sensibilizado.

 

Professor Leandro

 

O Ensino das Medidas

6 de Abril de 2018

O ensino das medidas é importante não apenas pela possibilidade de usá-las em situações cotidianas, mas também porque permite estabelecer conexões entre conhecimentos matemáticos distintos, uma habilidade significativa para toda a vida escolar.

Muitas atividades cotidianas das crianças envolvem medidas, como por exemplo, tamanhos dos objetos, pesos, volumes, temperatura diferente e outras.

Nas Ciências da Natureza, medir é essencial. Nas Humanas, usamos escalas e especialmente, medidas de tempo. E nas Artes há as noções de proporcionalidade. Isso sem falar nos usos cotidianos, como em receitas culinárias e na aplicação de medicamentos.

A utilização de receitas é um recurso rico para as aulas de Matemática. Discussões sobre unidades de medida, diferentes grandezas, medições convencionais e não convencionais podem surgir com base na análise dos números colocados em um simples copo medidor ou na comparação entre colheres de ingredientes diversos.

Pensando nisso foi proposto para a turma do 1° ano fazer uma receita, eles acompanharam a medição de cada ingrediente e colocaram a mão na massa, o resultado foi um delicioso pão.

 

Receita utilizada:

MASSA:

  • 2 tabletes de fermento para pão;
  • 5 colheres (sopa) de açúcar;
  • 2 xícaras (chá) de leite morno;
  • 3 ovos;
  • 1 colher (sopa) de margarina;
  • 1 kg de farinha de trigo.

RECHEIO:

  • 5 colheres (sopa) de margarina;
  • 1 xícara (chá) de açúcar.

MODO DE PREPARO:

  1. Misture os três primeiros ingredientes e depois o restante;
  2. Coloque a farinha de trigo até que desgrude das mãos;
  3. Deixe descansar por 30 minutos;
  4. Enquanto isso faça o recheio;
  5. Misture tudo até virar um creme;
  6. Abra metade da massa com um rolo de macarrão;
  7. Coloque a metade do recheio, espalhe bem e enrole a massa como rocambole;
  8. Corte as fatias, coloque – as em formas untadas e leve ao forno por aproximadamente 25 minutos ou até dourar;
  9. Para finalizar, jogue leite condensado e coco ralado em cima

 

 

Grupos Ativos nas Aulas de Matemática

29 de Março de 2018

Nas aulas de Matemática do nosso colégio, o ponto principal deste ano é o trabalho em grupo. A cada semana os alunos são dispostos em grupos diferentes, onde ficam responsáveis por uma determinada função essencial para o sucesso de cada atividade. Estas funções variam desde a leitura da atividade para o grupo até a apresentação do resultado encontrado.

20180315_103749_HDR

É importante que os alunos se vejam como recursos de aprendizagem uns para os outros e que a Matemática não precisa ser vista como uma disciplina com respostas únicas e fechadas. Saber ouvir e refletir sobre o que o outro pensa também desenvolve o raciocínio de todos.

Nos projetos de Matemática, as aulas são intercaladas entre aulas de xadrez e aulas de canto. As aulas de xadrez possuem ligação direta com o pensamento e raciocínio matemático, já que as peças possuem movimentos geométricos e a ideia da estratégia que o próprio jogo oferece, desenvolve a concentração e a busca por soluções.

As aulas de canto se justificam pelas várias formas em que a Música e a Matemática se interceptam, como por exemplo, na contagem de ritmo e no desenvolvimento de escalas musicais. Consta na história, que Pitágoras, famoso filósofo e matemático grego, foi o descobridor da relação entre as frações e as notas musicais. Além disto, as aulas de canto auxiliarão a interdisciplinaridade com as aulas de teatro que ocorrem no projeto de Arte, mostrando que cada vez mais a Matemática está por todas as partes, até mesmo nas menos imaginadas.

 

Lucas Souza

Professor de Matemática

Cultura Pedagógica

26 de Março de 2018

A cada ano recebemos alunos novos em várias etapas de ensino. Alguns levam um tempo para perceber o que os outros talvez achem o “normal”, natural, por já estarem conosco há algum tempo. Uma escola que tem a cultura de ouvir o seu aluno, de querer saber o que ele já sabe, pra daí mobilizar seu trabalho pedagógico, pode num primeiro momento causar estranheza. Mas se você parar pra pensar, uma criança, por menor que seja, vai adquirindo vivências, que a leva a colecionar informações, que por sua vez, pode torna-se conhecimento adquirido. Todas essas vivências são valorizadas em nossa escola. Além da troca com seus pares (outros colegas da escola), que acontece a todo momento.

Então, respeitar a criança, o jovem, com sua carga de informações ou conhecimento é de grande valia e faz com que esse aluno se sinta integrado no contexto escolar. Dispor as mesas e cadeiras de formas variadas, a depender do que o professor tem em mente é algo muito tranquilo e fará com que o aluno troque muitas informações com seus colegas.

A liberdade de poder conversar em alguns momentos com esses colegas, e até mesmo com professores e equipe gestora (o que talvez, era impensável numa escola anterior), mostra que o aluno tem mesmo voz aqui na escola. Essa liberdade, muitas vezes não é entendida ou demore um pouco para o novo aluno se adaptar, mas depois que ele entende que assim é o normal aqui, ele se integra e passa seus dias mais tranquilo em relação a todo processo de aprendizado.

Que tenhamos mais um bom ano!

 

Sheila Mendes

Vice Diretora

Lições do 6º ano para a economia de água

6 de Outubro de 2017

Todos nós sabemos que a água é essencial: todos os seres vivos precisam dela para a sua sobrevivência. Bem comum que deveria estar disponível para toda a humanidade, a água é motivo de preocupação em um mundo cada vez mais afetado pelas mudanças climáticas e com o aumento considerável do consumismo.

Neste bimestre, os alunos do 6º ano discutiram sobre a importância, o acesso no Brasil e no mundo, tratamento hídrico e formas práticas de economizar a água em casa, na agropecuária e na indústria. Para isso, a turma foi dividida em quatro grupos e, individualmente, cada aluno ficou responsável por realizar uma pesquisa de, no mínimo, três fontes confiáveis.

Todos os alunos apresentaram suas fontes e, após aprovação da pesquisa, seguiram para a elaboração de uma apresentação oral e visual para toda a turma. A avaliação foi feita a partir do trabalho em grupo (exposição e produção de PowerPoint ou Prezi, além de cartazes, maquete e materiais de divulgação dentro do nosso Colégio sobre a importância e conscientização da economia de água).

Nas fotos a seguir, temos os alunos apresentando seus trabalhos em sala. Parabéns, turma! Vocês são demais! 😀

 

Profª Carina Martins

 

 

Orientação Educacional e Assembleias

20 de Setembro de 2017

Este ano inserimos as Assembleias no Ensino Fundamental I e tem sido uma experiência enriquecedora, tanto para mim, como orientadora, quanto para os alunos. Podemos observar as percepções deles sobre o que está a sua volta, no trato com os colegas, docentes e funcionários do colégio.

Com o 1º ano, tratamos sobre as diferenças físicas e de personalidade. Entendo que precisamos ser tolerantes quando vivemos em sociedade, respeitar a opinião e diferenças que encontramos, pois somos seres únicos.

Durante o semestre, foi levantada uma questão no 2º ano, que acredito ter sido bem pertinente falarmos: preconceito racial. Assistimos um vídeo
(https://www.youtube.com/watch?v=OVhdHA-bG0k) Menina bonita do laço de fita, o qual ilustra de maneira lúdica que todos somos especiais independente da cor. Depois do vídeo, fizemos uma roda de conversa onde as crianças colocaram seu ponto de vista e mostraram que entenderam que não podemos ter preconceito e o quanto sofre quem é submetido a ele.

No 3º ano, trabalhamos o respeito mútuo dentro e fora da sala de aula e eles escolheram diversos temas como: ” Porque não podemos mascar chicletes na escola?” ” Por que não podemos trazer brinquedos todos os dias?” E, com isso, uma roda de conversa em que de maneira simples eles colocam seu ponto de vista. E onde eu explico também quando não é permitido e o porquê.

Ass 3º ano

Agora vamos ao 4º ano. Eles realizaram uma dinâmica onde, separados em grupos deveriam, responder questões e depois falávamos sobre o que cada um pensava sobre o assunto. Uma das questões era sobre menina jogar futebol e menino brincar de casinha. Será que um homem não pode lavar roupa e uma mulher não pode consertar um carro? Surgiram várias falas onde cada um foi respeitado pela sua opinião e outros refletiram e entenderam que não tem nada a ver com sexualidade. A intenção desta dinâmica foi trabalhar a questão de brincadeiras entre a turma onde xingamentos eram usados dentro deste contexto.

Ass 4º ano

O 5º ano sempre trata a questão do celular. Eles estão ansiosos para trazer o celular para o colégio. Os alunos questionaram muito sobre o por quê não poderiam começar este ano, e expliquei que as crianças menores veriam e teríamos que abrir o direito a todas elas, que por serem ainda pequenas poderiam danificar o aparelhou ou perdê lo.

Ass 5º ano

Já do 6º ao 9º ano tratamos especificamente da depressão. Com a onda do jogo Baleia Azul, abordamos tudo com muito cuidado e carinho, muitos alunos sentiram se a vontade para falar em particular e como sempre faço, deixo minha sala à disposição deles para que possam me procurar para que nós, como escola, possamos ajudar da melhor maneira. Foram distribuídos folhetos para eles e em casos mais específicos conversamos com os pais.

Ass Fund II

Termino com um texto que ilustra a minha postura com relação aos alunos.
O Jovem e as estrelas-do-mar

Numa praia tranquila, junto a uma colônia de pescadores, morava um escritor. Todas as manhãs ele ficava passeando pela praia, olhando as ondas. Assim ele se inspirava e, de tarde, ficava em casa escrevendo.

Um dia, caminhando pela areia, ele viu um vulto que parecia dançar. Chegou mais perto e viu que era um jovem, pegando na areia estrelas-do-mar, uma a uma, e jogando-as de volta ao oceano.

– E aí? – disse-lhe o jovem num sorriso, sem parar o que fazia.

– Por que você está fazendo isso? – perguntou o escritor, curioso.

– Não vê que maré baixou e o sol está brilhando forte? Se essas estrelas ficarem aqui na areia, vão secar no sol e morrer!

O escritor até que achou bonita a intenção do garoto, mas deu um sorriso cético e comentou:

– Só que existem milhares de quilômetros de praia por esse mundo afora, meu caro. Centenas de milhares de estrelas-do-mar devem estar espalhadas por todas essas praias, trazidas pelas ondas. Você aqui, jogando umas poucas de volta ao oceano, que diferença faz?

O jovem olhou para o escritor, pegou mais uma estrela na areia, jogou na água do mar, voltou a olhar para ele e disse:

– Pra essa, eu fiz diferença.

No dia seguinte, de manhãzinha, o escritor foi para a praia. O jovem pegava as primeiras ondas do dia. Juntos, com o sol ainda manso, começaram a jogar estrelas-do-mar de volta ao oceano.

Fonte: A MAGIA DA COMUNICAÇÃO, Dr. LAIR RIBEIRO, Editora Moderna, São Paulo, 1997., pag.19/21.

Estrela do mar

Um grande abraço,

 

Vivian Henriques

Orientadora Educacional

Ballet Clássico

21 de Agosto de 2017

O Ballet Clássico proporciona ao estudante uma educação global, disciplina pessoal e apreciação pela música.

Os benefícios do treinamento de ballet são logo notados:

  • desenvolvimento de sociabilidade e novas amizades,
  • encorajamento da disciplina física e o controle e conhecimento do corpo,
  • inspira senso de confiança física e mental,
  • entendimento da relação música/ritmo/movimento controlado,
  • promove o conhecimento de outras formas de arte associadas ao ballet clássico,
  • ensina o gosto pelas artes cênicas.

Iniciamos nossas aulas com alongamento para aquecer e trabalhar a flexibilidade, passando para os exercícios de diagonal e centro. 

Os exercícios do ballet proporcionam o fortalecimento da musculatura, equilíbrio, força, coordenação motora, psicomotricidade, memorização, concentração e postura.

Sentir, perceber e conhecer o corpo e suas possibilidades de movimento e expressão : correr, saltar, rolar, esticar, girar, respirar… 

O desenvolvimento de uma criança é o resultado da interação do seu corpo com o meio em que vive e trabalhamos tudo isso de maneira lúdica, criativa, brincando e conscientizando o corpo.

“O corpo diz o que as palavras não podem dizer.” 
(Martha Graham)

“Antes que o homem aprenda a voar, é necessário ensiná-lo a andar, correr e dançar “

(Nietzsche)

“Toda bailaria pela vida vai levar sua doce sina de dançar “

 (Toquinho)

 

Baby Class – caminhando devagar, nas pontas dos pés e como um avião, como trabalho psicomotor.

 

Ballet Infantil I – Exercícios de barra (pliés, eleves e pontas), trabalhando a conscientização corporal, postura e equilíbrio.

 

Ballet Infanti II – Desenvolvendo flexibilidade e exercícios diagonais, trabalhando a postura e o equilíbrio.

 

Profª Paola

A importância da rotina

8 de Agosto de 2017

Durante as férias, nossos pequenos não perderam o hábito de sua rotina e seus momentos de brincar com a imaginação.

Todos os dias, eles tiveram momentos de brincadeiras livres onde puderam exercer a imaginação e o brincar. Através destes momentos, eles aprendem a experimentam o mundo, as possibilidades, sociabilizam, organizam as emoções e desenvolvem habilidades motoras e a linguagem.

 

Eles também mantiveram suas rotinas de horários, criando hábitos e organizando seu tempo. Através das rotinas, as crianças aprendem limites e dimensões, além de acalmar e reduzir as angústias e ansiedades do que irá realizar ao longo do dia.

 

Professora Ivy

Descobertas das Férias

31 de Julho de 2017

Nestas férias as crianças tiveram novas propostas de atividades que favoreceram a imaginação, instigando o raciocínio lógico e a capacidade de criação.

Utilizaram sempre que possível materiais recicláveis para produzirem jogos e brinquedos e estimulando assim a criatividade e a conscientização ambiental. Criaram também um jogo de dama, desenvolvendo o raciocínio lógico e estratégias.

A infância é uma fase de descobertas, assim, é imprescindível incentivar a curiosidade das crianças e as atividades de intervenções trabalham não somente a criatividade como também raciocínio lógico e capacidade motora.

Uma das atividades de intervenções realizada consistiu em desenvolver uma pintura de uma paisagem que estava ao redor dos alunos, para incitar a imaginação. Com a mesma atividade conseguimos trabalhar outros aspectos importantes para o desenvolvimento da criança, além da capacidade motora e lógica, e para isso colocamos a tela pendurada em uma corda fazendo com que cada um desenvolvesse sua própria estratégia para solucionar esse obstáculo, trabalhando a concentração e a percepção.

Com atividades supervisionadas que realizamos, nós educadores agimos como facilitadores do processo de aprendizagem propiciamos situações que estimulam a autonomia de cada um no intuito de criar uma ponte entre a criança e o conhecimento.

Trabalhamos com as crianças desde pequenos com jogos matemáticos como meio de solucionar situações problemas onde as crianças desenvolvem o raciocínio lógico, como jogos de tabuleiros, que estimulam criar estratégia e socialização, dominó, bem como quebra cabeça, jogo da memória, para desenvolver a criticidade e a imaginação, jogos de bingo de números que faz com que as crianças possam reconhecer os números e não apenas saber a récita deles e também propomos o bingo de nomes (pessoas, frutas/frutos, animais, etc.) do mesmo campo semântico, para que as crianças se apropriem do sistema de escrita e façam o reconhecimento das letras, acrescentando mais palavras em seu vocabulário, fazendo com que as crianças tenham uma aprendizagem significativa.

 

Professora Lislie