Estamos de Volta!

9 de Fevereiro de 2017

Olá Pais e Alunos do Colégio Interativo.

Estamos iniciando mais um ano de parceria no processo educacional dos nossos alunos. Parceria de pais e educadores.

Queremos dar as boas-vindas a todos neste ano de 2017 e reiterar a nossa proposta de um trabalho pedagógico diferenciado e avançado, onde o aluno possa descobrir o prazer de aprender, num ambiente acolhedor, em que pais, gestores e docentes participem da Família Interativo, no sentido de oferecer o melhor aos nossos educandos.

Apesar das dificuldades que estamos atravessando no nosso país, não podemos abrir mão do cuidado e da educação dos nossos filhos.

“A Culpa é das Estrelas”: Cinema, debate e arte nas aulas de Projeto de Linguagens e Filosofia

13 de Dezembro de 2016

A utilização de filmes em sala de aula faz parte do cotidiano do Colégio Interativo. Buscamos sempre envolver nossos alunos em temas e recursos pertinentes e de interesse de todos para discutirmos os mais diversos temas nas nossas aulas. Um bem marcante, entre tantos que vimos neste ano, foi “A Culpa é das Estrelas”.

O filme, adaptação do livro de mesmo nome, conta a história de dois adolescentes que se conhecem em um grupo de apoio para jovens que sofrem com o câncer. Eles se apaixonam e vivem a plenitude do amor em meio ao sofrimento da doença e de conflitos da adolescência.

Baseado numa história real, a película pode ensinar muita coisa bacana e nos fazer pensar sobre questões fundamentais, como o otimismo diante dos obstáculos, a valorização de si mesmo, como também parar de nos culpar e culpar os outros. Em suma, fazer valer a vida! Nossas experiências de vida, boas ou ruins, fazem parte do que somos e, embora seja quase sempre muito difícil, olhar para o lado positivo dos problemas sempre é o melhor caminho.

Dessa forma, nas aulas de Projeto de Linguagens e Filosofia os nossos alunos assistiram ao filme completo e depois debatemos sobre as ideias principais presentes. Para finalizar, os alunos desenharam uma cena marcante ou algo que representasse a obra.

Prof.ª Angélica e Carina

Várias Formas de Contar

16 de Novembro de 2016

Aprender matemática é aprender a arte de contar.

Sabemos que muitas crianças, e até mesmo alguns adultos possuem dificuldades quando o assunto se refere a resolver questões que envolvem cálculos e contagem.

Por esta razão, nossa turma do 3º ano, desde os primeiros bimestres, trabalhou situações problemas que levaram as crianças a desenvolverem o raciocínio lógico. Foram apresentadas a elas alguns tipos de problemas matemáticos, e como cada aluno tem seu jeito de pensar esses problemas foram resolvidos de maneiras diferentes.

Após as tentativas de resolução, os resultados foram socializados e discutidos, o que contribuiu para a interação dos aprendizados. Assim, através disso, aqueles que não conseguiram ou chegaram próximo do resultado, conseguiram avançar na maneira de pensar e com isso aprimoraram sua prática de contagem.

E a regra?

Essa também foi levada em conta, justamente por ser um programa curricular e estar inserida nos conteúdos. Mas o que contou mesmo foi como cada criança entendeu essa regra e socializou isso em grupo.

Desta forma,encararam a matemática como sendo uma arte e não apenas uma coisa chata e cheia de fórmulas, que só servem para incomodar!

Experiências!

31 de Outubro de 2016

Construindo um filtro

No terceiro bimestre, os alunos do 6º ano conheceram um pouco mais sobre a água, estudando suas propriedades, importância, como ocorre seu ciclo e a importância do saneamento.

Um aspecto interessante desse estudo foi entender como o solo pode funcionar como um filtro natural quando a água penetra nele. Para auxiliá-los, foi construído um filtro utilizando garrafa PET, areia e pedrinhas.

Reproduzindo esse filtro natural, os alunos puderam observar como o solo pode reter as partículas que sujam a água.

 

 

As propriedades do ar

 A melhor forma de compreender as propriedades do ar é por meio de alguns experimentos bem simples que o 6º ano realizou nesse mês.

*Os alunos aprenderam que o ar ocupa lugar no espaço:

Uma garrafinha contendo água recebe um pequeno furo. Quando ela está bem tampada, a água não sai pelo furo. Mas se sua tampa for retirada o ar entra por sua boca e empurra a água que sai pelo furo.

*Aprenderam que o ar possui capacidade de compressão e elasticidade:

Quando tampamos o orifício de uma seringa com o dedo e empurramos o êmbolo, não conseguimos empurrá-lo até o final, pois o ar presente ali foi comprimido. Quando retiramos o dedo, o êmbolo volta ao seu lugar, comprovando a propriedade de elasticidade do ar.

*Aprenderam que o ar possui massa:

Quando amarramos dois balões cheios de ar nas extremidades de uma régua, e logo em seguida, estouramos um dos balões observamos que o balão restante pende a régua para um lado, pois ele possui massa e isso faz com que ele pese.

 

A transformação de um osso

Os ossos são formados principalmente por colágeno e sais de cálcio. O colágeno fornece elasticidade aos ossos e os sais de cálcio fornecem dureza e rigidez.

No terceiro bimestre, os alunos do 8º ano observaram o que acontece com um osso quando retiramos dele os sais de cálcio. Para isso, foi utilizado osso cru de galinha e vinagre.

Depois de alguns dias, imerso no vinagre, o osso perdeu toda a sua rigidez, ficando com aspecto de cartilagem.

 

 

Repolho roxo como indicador de pH

Nesse bimestre, os alunos do 9º ano estudaram as propriedades das substâncias ácidas e alcalinas (bases) e conheceram a escala de pH. Além da forma quantitativa de determinação do pH, existem formas qualitativas, utilizando diversas substâncias (os indicadores colorimétricos) que mudam de cor conforme o meio em que estão. Um desses indicadores é o repolho roxo.

Misturando o suco do repolho roxo com substâncias diferentes, como as que foram utilizadas pelos alunos (vinagre, suco de limão, água, amônia e leite de magnésia), foi possível determinar se eram ácidas, alcalinas ou neutras.

 

 

 

 

Projeto de Linguagem – Contos

17 de Outubro de 2016

Neste 2° semestre os alunos do 4° ano estão tendo a oportunidade de aprimorar a leitura e a escrita no projeto de linguagem com os grandes contos do autor Ricardo Azevedo entre outros contos como os de Pedro Malasartes.

O projeto está envolvendo muitas rodas de histórias, leituras em casa e em grupo. As atividades de leitura estão recheadas de diferentes contos para que as crianças possam conhecer diversas histórias, desta forma aprendem a analisar os recursos usados pelos autores na escrita de seus textos, apreciam as histórias lidas, compartilham informações, recomendam oralmente e por escrito essa fantástica experiência.

Estamos trabalhando também a oralidade em que as crianças estão aprendendo recursos para narrar histórias tendo cuidado com aspectos importantes, como o estudo do conto lido, objetos para representar os personagens e o melhor de todos, eles estão podendo trocar informações com os colegas, se auto avaliando e avaliando as demais narrações.

Este trabalho ainda está em andamento e irá até o final do semestre, portanto ainda teremos atividades em que as crianças na prática da escrita irãoelaborar um roteiro para a escrita de um conto organizando suas ideias, observando a grafia, pontuação existente no texto e tempo verbal. Em seguida as crianças irão participar do processo de revisão para finalizarmos o projeto.

Abaixo vocês poderão apreciar as fotos no momento em que as crianças estavam trabalhando com a narração de contos.

Grupo: Brendha, Fernanda, Luís e Henrique

Conto: ´´ A periquita e o cachorro do mato´´

Grupo: Murilo, Natália, Louise e Giulia.

Conto: ´´ Macaco e a goiabeira´´

Grupo: Amanda, Caio, Matheus, Manoela e Rachel

Conto: ´´ A quase morte de Zé Malandro´´

Ambas as obras de Ricardo Azevedo, esses três contos foram gravados e as crianças puderam olhar e observar cada ponto nas narrações e assim aprimorar e apreciar cada colega em suas apresentações.

Professora Letícia

Cultura Japonesa, Indiana e Povos Indígenas

17 de Outubro de 2016

Neste bimestre trabalhamos com o tema da apostila Um pouco daqui, um pouco dali e um pouco de lá”, conteúdos relacionados à cultura japonesa, indiana e povos indígenas do Brasil, os quais despertaram muita curiosidade da turma e proporcionaram boas reflexões  favorecendo assim o respeito por outras culturas.

Iniciamos o nosso passeio pela cultura indígena, um de seus costumes é o consumo de alimentos do nosso dia a dia; como o milho, a mandioca, a banana, etc. e que até hoje podemos fazer vários tipos de pratos utilizando esses alimentos.

Um dos nossos pequenos fez associações com algo de sua vivencia e disse “Prô, um dos bolos que eu mais gosto é o bolo de cenoura com chocolate que a minha mãe faz”, após algumas descobertas a atividade proposta teve como objetivo a compreensão de uma receita de bolo de milho por meio da leitura, identificação da estrutura do texto e os números indicando a quantidade de cada ingrediente.

Para elucidar o conteúdo trabalhado e os conhecimentos prévios dos nossos pequenos proporcionando o trabalho em equipe, fizemos a leitura da receita do bolo de milho e separamos todos os ingredientes, um a um foi colocando os ingredientes no liquidificador e uma das alunas pediu para untar a forma dizendo que já sabia, porque a avó já havia ensinado em casa,

Por fim colocamos o bolo no microondas para assar por 12 minutos e quando ficou pronto foi uma festa, todos ficaram contentes por terem conseguido!

 

Beijos,

Professora Lislie

Futsal na Escola

22 de Setembro de 2016

Toda terça e quinta-feira de cada semana, nossos pequenos praticam o futsal na última aula, modalidade famosa e muito presente em nossa cultura. O intuito dessa aula é de potencializar o desenvolvimento global da criança, levando em consideração os aspectos físicos, psicológicos, motores, cognitivos e sociais.

Sendo assim, passa-se a impressão que esta aula é um treino de alto rendimento, mas é durante esse pequeno momento, que os alunos vivenciam de diferentes formas o ato de jogar futsal, para desenvolver todos os aspectos necessários para um desenvolvimento adequado.  Durante nossas aulas são realizados jogos e atividades lúdicas, desta forma todos podem mostrar suas táticas e habilidades prévias.

Abaixo, podemos visualizar como nossos pequenos se divertem e aprendem enquanto jogam a nossa paixão nacional, o futsal/futebol.

Por que beber água, se sucos de caixinha e refrigerantes também matam a sede?!

22 de Agosto de 2016
Foi com esse questionamento que o 2º semestre para os alunos do 5º ano começou com muito trabalho, principalmente trabalho em equipe. Todos, sem exceção, se empenharam junto com a professora a solucionar essa dúvida.   Materiais foram expostos em sala de aula como: garrafas pet, filtros de papel, terra, água e vasilhas para a realização de um experimento que consistia em demonstrar como os nossos rins funcionavam.
Esse experimento fez com que os alunos atentamente acompanhassem passo a passo o movimento da água que passava pelos filtros, tornando-se cada vez mais limpa. Os filtros representavam os rins, a mistura de água e terra representavam o sangue com resíduos, a água filtrada representava o sangue filtrado, já o que ficava retida no filtro representava os resíduos eliminados do corpo com a urina. 
Esta atividade foi muito relevante para o aprendizado de todos os alunos, uma vez que entenderam de forma lúdica a real necessidade de nos hidratarmos de forma correta, ou seja, bebendo água e não substituindo-a por refrigerantes que fazem nossos rins trabalharem muito mais devido a corantes e açucares, colocando nossa saúde em risco.
Confiram nas fotos a montagem e o desenvolvimento do nosso experimento.
Parabéns meus alunos por realizarem esta atividade com tanto empenho.
Beijos!
Professora Adsa. 

Teorema de Tales e Pantógrafo

3 de Junho de 2016

Durante o 1º bimestre, nossos alunos do 9º ano aprenderam Teorema de Tales e ampliação e redução de figuras. Em uma de nossas aulas, eles confeccionaram um pantógrafo caseiro.

Mas você sabe o que é um pantógrafo?

O pantógrafo é instrumento destinado a copiar mecanicamente desenhos, seja em escala reduzida, ou em escala ampliada.

Vejam as fotos dessa aula.

Atenciosamente,

Prof. Jardel

Cupcakes – 6° Ano

3 de Junho de 2016

Durante esse bimestre, nossos alunos do 6º ano estão estudando em Matemática as frações. E nada melhor do que trabalhar fração na prática.

Nessa aula, eles confeccionaram cupcakes usando uma receita que havia muitos números escritos em forma fracionária.

Você sabe como surgiu o cupcake?

 

cupcake é um bolinho de origem inglesa, seu nome original é fairy cake, em português bolo de fada. Entretanto, depois de se tornar famoso nos Estados Unidos ganhou o nome de cupcake (bolo de xícara), pois sua receita é feita usando xícaras como medida. Como antigamente o normal era que as receitas fossem feitas com os ingredientes medidos em peso, o nome acabou pegando. Além disso, eles eram assados em xícaras, o que fortaleceu ainda mais a ideia do nome cupcake.

cupcake tradicional era feito com baunilha com cobertura defondant. Atualmente, ele já conta com diversas variações de receitas, modo de preparo e sabores. Há cupcakes simples, os com cobertura e recheio.

Os alunos adoraram essa aula. Vejam as fotos!

Abraço,

Prof. Jardel