Arquitetura Indígena Brasileira na Mostra Cultural

10 de Outubro de 2019

A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas. A ideia é chamar a atenção mundial para o desaparecimento das línguas faladas desses povos. Só no Brasil, pelo menos 190 idiomas estão em risco. Uma das maiores causas desse problema é a perda de territórios dos indígenas e a globalização.

Por esta razão, o tema da Mostra Cultural do nosso Colégio foi “Diversidade Indígena Brasileira”. Além de exaltar as diversas etnias, línguas e culturas nativas do nosso país, o evento foi uma grande reflexão sobre o futuro dos verdadeiros donos do Brasil.

A turma do 8º ano foi responsável por desenvolver uma apresentação sobre a “Arquitetura Indígena Brasileira”. Desde o primeiro trimestre os alunos se preparam através de pesquisas sobre as características das moradias indígenas mais comuns em nosso território, assim como os povos organizam-se em comunidade e, especialmente, a condição atual das habitações e territórios dos nativos no país.

Diversas atividades como debate e produções artísticas em casa e em sala de aula foram desenvolvidas. Agradecemos a todos pela presença!

Confira abaixo fotos de algumas das produções da turma.

Professoras Bárbara e Carina

Anúncios

Simulação de Reunião da ONU nas Aulas de Filosofia e Linguagens

8 de Outubro de 2019

Nas aulas de Filosofia e Linguagens, os alunos do Fundamental II estudaram e debateram diversos temas ao longo do ano. A fim de reforçarmos atividades de desenvolvimento da oratória, cooperação, coletividade e respeito à diversidade de opinião, neste trimestre nossos alunos participaram de uma simulação de reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a fim de apresentar medidas para uma solução da crise na Venezuela.

As  Nações Unidas (ONU) é uma instituição internacional formada por 192 países. Fundada após a Segunda Guerra Mundial, seu principal objetivo é manter a paz e segurança mundiais, além de promover melhores padrões de desenvolvimento social e direitos humanos. São órgãos da instituição a Assembleia Geral, o Conselho Econômico e Social, Conselho de Tutela, a Corte Internacional de Justiça, o Secretariado e o Conselho de Segurança.

O Conselho de Segurança da ONU é responsável pela paz e segurança internacionais. Formado por 15 membros, cinco permanentes (Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China) que possuem direito a veto, e dez membros não-permanentes eleitos a cada dois anos pela Assembleia Geral, é a única instituição que tem poder decisório, isto é, todos os membros das Nações Unidas devem aceitar e cumprir as decisões do Conselho.

Desde agosto, nas aulas de Filosofia e Linguagens, as turmas foram divididas em grupos que representaram países membros do Conselho de Segurança. O projeto foi elaborado em quatro partes: primeiro, discussão sobre a ONU e seus principais órgãos, com ênfase ao funcionamento e organização do Conselho de Segurança; segundo, os alunos pesquisaram as características gerais dos países membros, suas posições políticas e diplomáticas no cenário internacional e os fatores para a atual situação política, econômica e social da Venezuela; terceiro, elaboração em grupo de discurso sobre como resolver a atual crise da Venezuela; e, por último, a simulação da reunião do Conselho de Segurança da ONU na qual todos os grupos apresentaram seus discursos. Parabéns a todos os alunos envolvidos neste projeto!

Confira abaixo imagens das atividades.

Prof.ª Carina Martins

Medicina Indígena na Mostra Cultural

25 de Setembro de 2019

Está chegando o dia da nossa Mostra Cultural, cujo tema, é tão relevante para todos nós: “A diversidade indígena brasileira”.

Nossos alunos estão trabalhando com muito empenho e dedicação para que toda a dimensão cultural seja captada da melhor forma, compartilhando assim, as ricas experiências vivenciadas em todo o processo de produção.

Neste universo, trabalharemos diversos temas, inclusive a medicina indígena. Será uma excelente oportunidade para entrarmos  em contato com a cultura indígena de nosso país, descobrindo assim parte de suas crenças e costumes.

Participem dessa experiência tão rica culturalmente, aprendendo um pouco mais sobre nossos ancestrais!

Abaixo algumas imagens dos alunos do 7° ano trabalhando em grupo:

Poesia e Fotografia nas aulas sobre a Segunda Guerra Mundial

19 de Setembro de 2019

A relação entre a poesia, a fotografia e a guerra foi discutida durante algumas aulas de História e Língua Portuguesa neste trimestre. Ao analisar poemas da época da Segunda Guerra Mundial – período entre os anos de 1939 a 1945 – os alunos do 9º ano buscaram captar o sentimento do poeta e a vivência daqueles que presenciaram um dos conflitos mais sangrentos da história do século XX.

Em grupos, os alunos leram alguns poemas: “Guerra” e ‘Homens Gloriosos” de Cecília Meireles, “Terra Adubada”, de António Gedeão” e “A Guerra”, de David Mourão-Ferreira. Em equipe, analisaram cada verso e buscaram relacionar ao conteúdo estudado sobre Segunda Guerra Mundial, bem como buscaram entender a experiência pessoal de quem viveu a guerra no campo de batalha ou sofreu as consequências arrasadoras de um conflito de tamanha proporção. Após esta atividade, os alunos confrontaram suas impressões dos poemas com imagens do conflito. Para finalizar, escreveram um pequeno texto. Leia alguns trechos:

“O poema ‘Guerra” faz referência à terceira fase da Segunda Guerra, onde ocorreram grandes avanços na tecnologia de guerra e alto número de mortes por conta dos ataques e bombardeios. Os corpos eram despejados como tábuas sem uso, por isso os rios e oceanos possuíam coloração avermelhada.” (Eloísa Freitas, Gabriela Camargo e Maiara Vollete)

“Sobre a primeira fase da Segunda Guerra, o poema “Homens Gloriosos” aborda o sofrimento dos que lutaram no conflito. Ilustra os momentos de batalha no trecho: ‘pois era um clamor de espadas bravias,/ de espadas enlouquecidas e sem/ relâmpagos… / pegajosas de lodo e sangue denso”. Nas imagens que a professora nos passou, há uma semelhante ao verso do poema em que alemães jogam soldados mortos numa trincheira cheia de lama.” (Amanda Vianna, Geovana Gambaré e Giovanna Dias).

Cada equipe socializou sua produção escrita em sala. Confira a seguir algumas imagens das atividades.

Professoras Angélica e Carina

Língua Portuguesa e História

 

 

Construindo nossa cidade

23 de Agosto de 2019

No dia 12 de agosto, foi realizada uma atividade com enfoque na Língua Inglesa sobre o tema “Minha cidade”. Foi proposto aos alunos do 6º ano que eles construíssem as suas próprias cidades.

A foi sala dividida em três grupos. Cada um deveria ter a proposta de criar um nome para sua cidade e construí-la colocando o nome de cada lugar em inglês.

O objetivo é com que os alunos tenham uma maior familiaridade com os nomes dos lugares da cidade em inglês, e coloquem em prática a sua bagagem cultural, demonstrando quais lugares conhecem  e que constituem uma cidade.

O foco é que os estudantes consigam identificar e nomear estabelecimentos comerciais e públicos e, além disso, compreender informações turísticas e localizações.

Ao final, foi interessante as possibilidades de construção de laços afetivos e convívio social desenvolvido por cada grupo. Os estudantes em conjunto imaginaram uma cidade ideal com os lugares nos quais consideraram importante para interação.

Bruna

Profª de Língua Inglesa

 

A importância de participar das Reuniões de Pais

12 de Agosto de 2019

reunião

Algumas pessoas acham que as reuniões de pais servem apenas para falar de problemas dos filhos e que é uma reunião enfadonha. Mas, na realidade, o intuito da escola é aproximar os pais da equipe escolar e assim, compreender melhor como é a rotina do seu filho na escola, os desafios que ele enfrenta e o que foi planejado para o aprendizado. Desta forma, os pais ficam cientes os de tudo o que acontece e o que acontecerá nos próximos meses.

O envolvimento da família na escola traz muitos benefícios para o desenvolvimento da criança e do adolescente.

A grande maioria dos pais trabalha o dia todo e seus filhos acabam passando mais tempo na escola do que em casa. E na reunião há a possibilidade da troca de experiência para ambos os lados (família e escola), para tirar dúvidas sobre os projetos que seu filho participa e seus objetivos, passeios e eventos que acontecerão.

E em que essa participação contribui?

Quando os pais vêm até a escola, as crianças se sentem valorizadas, ficam felizes em ver os pais participando da vida escolar deles, o que ajuda de maneira positiva na autoestima das crianças.

Outro ponto é entender como funcionam os combinados feitos entre seus filhos e a professora, a evolução do aprendizado para que, quando estiverem em casa, possam ajudar as crianças incentivando e orientando, pois já conhecem a proposta da escola.

Essa proximidade com a escola deixa a comunicação, tanto para os pais quanto para os professores, mais confortáveis para desfazer algum mal entendido. Por isso, a importância a de não guardar o problema para si e sim sempre que houver dúvida procurar a escola para esclarecer.

Hoje contamos com a tecnologia para essa troca de informações, mas o contato pessoal é essencial para estar sempre a par do desenvolvimento de seus filhos.

 

Vivian Henriques

Coordenadora Pedagógica

Férias com André Neves

31 de Julho de 2019

Durante o Curso de Férias, nossos alunos puderam apreciar as obras do escritor e ilustrador André Neves, que nasceu em Recife e mora em Porto Alegre.

André começou a estudar Artes Plásticas em 1995. Desde então, escreve e ilustra suas obras que já foram publicadas por diversas editoras. É um autor reconhecido pelo seu trabalho com histórias que encantam a todos com suas criações e sensibilidade, seja adulto ou criança.

Durante o processo os alunos participaram de diversas atividades como: roda de leitura, oficinas de desenhos, apreciação das características dos livros, fizeram comparações, conheceram o autor através de pesquisa, vídeos e  criaram indicações dos livros que mais  gostaram como: Margarida, que conta a história de uma jovem e encantadora vaca, que é insatisfeita no lugar onde vive e tenta encontrar sua felicidade fora de sua fazenda. No decorrer dessa história, Margarida passa por vários obstáculos e vive uma grande aventura. Outro livro que as crianças adoraram foi Orelhas de Mariposa, que traz pontos de vista  diferentes sobre a qualidade ou defeito que temos de uma forma sutil e divertida.

Cada criança demonstrou  apreço por uma história e transmitiu durante as conversas de indicações seus sentimentos e por fim foi proposto como produto final foi uma exposição para que compartilhassem com os outros colegas gravuras baseadas nas obras de André Neves, o resultado foi lindo e cheio de cor.

 

Assembleias no Fundamental II (6º ao 9º)

5 de Julho de 2019

Este ano nossas assembleias do Fundamenta II foram aplicadas quinzenalmente com cada turma e era divida em uma turma com 6º e 9º anos e a outra turma com 7º e 8º ano, para que os alunos pudessem aproveitar melhor e terem maior tempo para se expressarem e se comunicarem. Precisamos estar abertos a novas ideias e estimular nossos alunos a compartilharem seus medos, angustia e alegrias. E também a oportunidade da vivência entre o que se diz e o que se faz no cotidiano.

O nosso objetivo era colocar em prática questões do dia-a-dia dos alunos, com o intuito de que eles pudessem gerir conflitos e auxiliá-los a terem controle de suas ações. Entretanto, como educadores, colaboramos na construção do aluno como cidadão e ao perceber que para gerir os conflitos externos, era preciso que eles gerissem os conflitos internos, servindo de gatilho na construção do conhecimento próprio e da liberdade de expressão. Abordamos casos complexos como o suicídio, a depressão, a falta de autoconfiança e da dificuldade de valorização de si.

Por essa razão as assembleias de orientação educacional neste primeiro semestre, buscaram oferecer ferramentas valiosas para auxiliar os alunos a criarem suas estruturas mentais, emocionais, sociais e assim favorecer o amadurecimento pessoal de cada um. Discutir de forma saudável, podendo se expressar e ouvindo as opiniões dos outros, fizeram que eles refletissem, repensassem suas opiniões e mudassem de ideias em relação as suas atitudes.

Os alunos puderam escrever uma carta de desabafo, onde colocaram no papel seus maiores conflitos e dúvidas internas, com isso, conseguiram organizar as ideias, compreender as dificuldades e perceber a falta de autoconfiança e baixa autoestima. Percebi que muitos não recebiam elogios dos colegas e que tinham essa preocupação. Então foi realizada uma dinâmica do elogio, na qual, a folha com o nome do aluno passava por todos os colegas que deveriam colocar um elogio ao amigo. Ao final da dinâmica, todos leram os elogios em suas folhas e se sentiram melhores, mais felizes e isso foi nítido nas atividades.

Para que nossos alunos compreendessem que é possível superar as dificuldades e que a maior parte dos conflitos de autoconfiança e autoestima são internos, apresentamos dois vídeos disponíveis no Youtube. O primeiro sobre a trajetória de Michael Phelps (https://www.youtube.com/watch?v=lpr3vYyAV4Q) e o segundo sobre a história de vida de Oprah Winfrey (https://www.youtube.com/watch?v=bM7DMXGyoOE),.

Os vídeos fizeram com que eles repensassem a forma de ver e enfrentar as dificuldades e entenderam que tudo só é possível a partir do momento que se deseja de coração.

Os alunos finalizaram com a montagem de um mural cheio de frases motivacionais e desenhos que ajudaram a mudar o dia de alguém.

Ivy Machado – Orientadora Educacional

Vivian Henriques – Coordenadora Pedagógica

A importância da Dança na Educação Infantil

2 de Julho de 2019

Dançar é bom em qualquer idade!

Mas a dança na Educação Infantil tem um papel fundamental no desenvolvimento da criança, pelas possibilidades de proporcionar uma diversidade de vivências, através de atividades nas quais elas possam descobrir várias formas de se movimentar, construindo conceitos e ideias sobre o movimento e suas ações. Além disso, é um meio favorável, para que as crianças conheçam seu corpo, as suas limitações, enfrentem desafios, interajam com outras pessoas, expressem sentimentos e se comuniquem através da linguagem corporal, desenvolvendo suas capacidades físicas e intelectuais. Fazendo dessa arte um meio de educação para formar pessoas conscientes e críticas.

A dança pensada no contexto da educação deve ser concebida como parte do conhecimento, seja humano, afetivo, cognitivo ou social, apresentando a linguagem corporal como mais uma das formas de representação do conhecimento.

É importante lembrar que a dança não faz distinção de gênero, idade, raça ou classe social. Pessoas de todas as idades podem frequentar as aulas de dança sem medo de ser feliz.

Nossas  aulas de dança (Ballet) tem como base a ludicidade e em possibilidades de movimentos.Entramos no universo das histórias infantis, contos e músicas para abordar os movimentos técnicos , fazendo com que o aprendizado aconteça através de diversas brincadeiras e cantigas infantis.

Além das brincadeiras, contamos com a grande variedade de materiais pedagógicos que causam o encanto das crianças para o aprendizado do Ballet Clássico,ajudam a manter o interesse pela atividade além de ser um facilitador para execução dos movimentos.

O brincar é o que faz uma criança feliz, se tirarmos isso dela o que sobra?

Prof. Esp. Camila Torres

 

 

 

 

 

Dança dos bonecos de palito de sorvete

27 de Junho de 2019

Durante algumas aulas de Educação Física, a turma do quinto ano colocou a criatividade em ação, para construir uma coreografia a partir da criação de bonecos confeccionados com palito de sorvete.

A primeira etapa da atividade consistia em se dividir em grupos e escolher uma música; segunda fase, construir os bonecos de palito de sorvete simulando movimentos e terceira e ultima fase, utilizar os movimentos dos bonecos no ritmo da música escolhida, para criar uma coreografia.

A dança na escola é um ótimo recurso para desenvolver a linguagem corporal, aumenta a sociabilidade e quebra a timidez; com a construção dos bonecos ficou bem mais fácil a participação de todos, pois focavam nos bonecos tentando imaginar como seria aquele movimento se o mesmo pudesse se movimentar.

Foram aulas super divertidas e criativas, todos puderam expor suas ideias, contribuindo assim para o desenvolvimento individual e social.

Abaixo, podemos visualizar algumas fotos que mostram o envolvimento de todos no passo a passo da criação da dança de bonecos.

Professora Natália.